quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Eleição Conselho Municipal de Cultura


Nesse sábado ocorrerá a eleição para o Conselho Municipal de Cultura de Feira de Santana. O Fórum permanente de Cultura criou uma campanha maravilhosa com a Hashtag #BoraOcuparOconselho! A campanha seria perfeita, salvo por um pequeno detalhe, A DANÇA não está presente. E sabe o porquê de isso acontecer? Porque a Dança permanece sem uma cadeira dentro do Conselho de Cultura de Feira de Santana!! É um tremendo contrassenso se ousar falar em cultura sem que se dê a importância e a visibilidade que esse segmento artístico deveria ter! Agora, nesse ponto, creio que cabe uma pequena retrospectiva, a fim de que a comunidade em geral entenda os caminhos que trilhamos até aqui.
Se você não participou da Conferência Municipal de Cultura de 2013, você não presenciou a articulação e as reivindicações que os artistas da dança e de mais dois outros segmentos, que também estavam excluídos do conselho, efetuaram naquela Conferência. Foi uma coisa linda de se ver, nós fizemos nossa voz ser ouvida e em votação durante a plenária, na presença do então secretário Jailton e de toda a classe artística presente, definiu-se que naquele momento seria feita a votação para 3 novas cadeiras que seriam posteriormente regularizadas mediante alteração da Lei Municipal que dá origem ao Conselho. Dentre essas cadeiras estava incluída uma cadeira para a Dança.
Acontece que apesar de todos os esforços, esta reivindicação não foi atendida e com a mudança do secretário de Cultura, os três representantes “Ex-Oficio”dessas cadeiras pararam de ser convocados para as reuniões do Conselho e quando nos fazíamos presentes, não possuíamos direito de fala. Participei ativamente da construção do Plano Municipal de Cultura e até então o acordo posto era de que ao final da construção do Plano, juntamente com ele seria encaminhado para votação na Câmara a proposta de alteração de Lei.
 A proposta foi encaminhada, mas teve a sua alteração barrada devido à ignorância de um dos vereadores da Câmara, que teve sérios problemas de compreensão e interpretação do texto da referida Lei. O atual secretário de Cultura, Edson Felloni Borges, já se pronunciou publicamente demonstrando estar disposto a intervir de maneira a sensibilizar os vereadores a aprovarem a proposta de alteração apresentada. Contudo, apenas falar não é o suficiente. Espero que realmente exista a vontade política de fazer essa alteração acontecer.

E AGORA?
Antônia Lyara, que faz parte da Trupe Mandhala, estará se  inscrevendo para a cadeira de cultura popular, tentando fazer com que assim a dança não deixe de demarcar um espaço. Mas para que isso aconteça precisamos de representatividade em votos e presença.

COMO VOTAR
Para se inscrever para votar são necessários os seguintes documentos: RG, CPF, comprovante de residência atual e currículo artístico.
Ficha de inscrição (baixe aqui:  http://www.feiradesantana.ba.gov.br/secretarias.asp?id=8)
As inscrições estão acontecendo presencialmente na SECEL, ou por e-mail através do conselhodeculturafsa@gmail.com, ou ainda no sábado até as 11 da manhã no Maestro Miro.

Isto posto, se você é um artista da Dança, se você atua de alguma maneira na disseminação e produção desse segmento artístico, eu convoco você a colar conosco nessa campanha. Se inscrevam e compareçam no Sábado, no Centro de Cultura Maestro Miro para mostramos que a dança em Feira de Santana existe e precisa ser Respeitada!

#AdançaExigeRespeito #AdançaQuerOcupar

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, texto A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto Nenhum texto alternativo automático disponível.
A imagem pode conter: 12 pessoas, pessoas sorrindo, multidão, texto e atividades ao ar livre A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, texto
A imagem pode conter: 1 pessoa, texto A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Aulas de Dança do Ventre no Bairro SIM com Viviane Macedo



O SIM agora conta com um Home Studio de Dança voltado para o estudo das Danças Orientais.
O Lírio Estúdio de Dança  possui turmas regulares de Dança do Ventre! A Dança do Ventre é uma arte milenar que além de contribuir para o desenvolvimento psíquico e emocional através do auto conhecimento e do fortalecimento da auto-estima, também traz inúmeros benefícios para o corpo, pois aumenta a flexibilidade e consciência corporal, fortalece o assoalho pélvico e melhora a postura e o condicionamento físico. Garanta já a sua vaga e venha ser feliz com a gente!

Professora: Viviane Macedo
Onde: Condomínio Viva Mais Master, n 8220, Quadra L, Casa 27, Bairro SIM

Quando:
Terça-Feira das 16h às 17:30 (Turma I)

Quarta-Feira: 19h às 20:30 (Turma II)

sábado, 5 de novembro de 2016

Trupe Mandhala participa da Caravana Tribal de Fortaleza




 Este ano acontecerá mais uma edição da Caravana Tribal Nordeste, que passou por Feira de Santana em abril, e agora vai para Fortaleza, no Ceará. E a Trupe Mandhala, grupo de Dança Étnica Contemporânea (Dança Tribal) criado em Feira de Santana, participa de mais esta edição, nos dias 19 e 20 de novembro.

A Trupe foi contemplada no Edital de Mobilidade Artística e Cultural da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia para participar desta edição da Caravana Tribal Nordeste, e irá acompanhada também pelos bailarinos - Rony Timas Blastoyse, que atua na pesquisa do Tribal Afro Urbano junto a Trupe e também irá ministrar o workshop; Caíque Melo que também irá se apresentar com a Trupe no show; e o grupo Clanáticas Tribal Fusion Dance, formado por alunas da Prof.ª Mary Figuerêdo (integrante da Trupe Mandhala).

Nesta edição, a Trupe leva os workshops Tribal Ritualístico – Dançando os 4 elementos, e Tribal Afro Urbano. E também se apresentará no Show de Gala levando solos, e a coreografia de grupo intitulada Volante Tribal, que traz como temática o sertão na época de lampião, e que utiliza a música Cabrueira, do músico feirense Bruno Bezerra.

Como contrapartida do projeto contemplado, que conta com o apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia, a Trupe irá realizar posteriormente em sua cidade natal os workshops ministrados na Caravana de Fortaleza de forma gratuita.

SOBRE A CARAVANA TRIBAL NORDESTE

A Caravana Tribal Nordeste é um evento itinerante que existe desde 2009 e busca divulgar e aprofundar os estudos no estilo da Dança Tribal e integra como sede as cidades de João Pessoa sob organização da Cia Lunay, Recife sob organização da Aquarius Cia de Dança, Fortaleza sob organização de Alinne Madelon e Antique Soul Tribal Fusion e Feira de Santana/Salvador sob organização da Trupe Mandhala, recentemente convidada a se juntar ao grupo das organizadoras da Caravana.

O Festival tem sido definitivo para o fortalecimento da cena tribal nordestina. A programação conta com Espetáculo onde se apresentam diversos grupos, além de workshops. Trabalhos de excelente qualidade artística são levados anualmente à Caravana, e há também um foco na pesquisa da fusão do tribal com as danças populares brasileiras de matriz nordestina. O festival já contou também com a participação de atrações internacionais como Mira Betz (EUA), Emine di Cosmo (Buenos Aires) e Anasma (Paris).



 



 

 

Trupe Mandhala realiza aulão gratuito de Tribal Afro Urbano




O Mercado de Arte Popular de Feira de Santana/BA recebeu de braços abertos o aulão de dança Tribal Afro Urbano, um estudo que vem sido desenvolvido pela Trupe Mandhala junto ao professor e bailarino Rony Timas Blastoyse do Cabo-Verde, que fusiona, hibridiza o Tribal Fusion com o Afro Urbano e as Diásporas na dança, com estudos das movimentações da Angola. Cabo-Verde, Jamaica e Ghana, entre outros.

Esta experimentação vem despertando interesse em instituições de ensino conceituadas como a Edna Manley na Jamaica, e sendo apresentados resultados no Dramofone, Caravana Tribal Nordeste, Feira Noise Festival, Tribal Remix e salas de aulas diversificadas.

"Ser hibrido é dominar elementos e, um corpo hibrido, é um corpo com informações distintas. Na dança, é alguém que tem várias linguagens corporais no que diz respeito a estilos. A dança já nasceu tendo o hibridismo junto de si. O autor Curt Sachs (1960) em sua obra World History Of The Dance, observa que a forma mais antiga da dança, parece ser o Reigen ou a dança em roda que vem com informações de heranças de animais ancestrais. A hibridação na dança não é nova, tornam-se diferenciadas as adaptações de linguagens.
- Antonia Lyara -




terça-feira, 12 de abril de 2016

Caravana Tribal Nordeste realiza apresentações e workshop em Feira de Santana



A Caravana Tribal Nordeste é um projeto itinerante que acontece há seis anos percorrendo alguns estados do Nordeste, e busca o fortalecimento da Dança Tribal, do Ventre e Fusões através da difusão do conhecimento em workshops, mostras coreográficas e intercâmbio entre artistas e pesquisadores.

No próximo dia (16) a Caravana chegará pela primeira vez a Feira de Santana, sob a realização da Trupe Mandhala, grupo feirense de dança tribal, e trará um Show de Gala que será apresentado no sábado no Teatro Margarida Ribeiro a partir das 19 horas.

A programação conta ainda com três workshops que trabalharão temáticas diversas dentro do universo da Dança Tribal e Fusões. As aulas serão nos dias 16 e 17, no turno da manhã, no Allegro Studio de Dança e Educação Corporal e serão ministradas pela Cia Lunay (Paraíba), Antique Soul (Ceará) e Carvalho Cia de Dança (Pernambuco).

O Show conta com apresentação de grupos e bailarinos de Feira de Santana, Salvador e região, bem como de Alagoas, Rio Grande do Sul, Paraíba, Ceará e Pernambuco e promete encantar através da arte da dança todos que forem prestigiar.

Atualmente, a Caravana Tribal Nordeste tem como grupos organizadores:
Cia Lunay – Paraíba; Aquarius Cia de Dança – Pernambuco; Carvalho Cia de Dança – Pernambuco; Alinne Madelon – Ceará e Trupe Mandhala – Bahia.


SERVIÇO

CARAVANA TRIBAL NORDESTE
16 e 17 de Abril

*** SHOW DE GALA ***
Dia 16/04 - 19h - Teatro Margarida Ribeiro - bairro Capuchinhos
Ingresso: R$ 10,00 meia promocional

*** WORKSHOPS ***
Local: Allegro Studio de Dança e Educação Corporal, Rua Juracy Magalhães, 298, Ponto Central (próximo a FAT Faculdade Anísio Teixeira.
Investimento: R$ 60,00 cada tema ou R$ 150,00 os três temas (com direito a Certificado)

DIA 16/04
- 08h - Releitura de Movimentos Tradicionais para Tribal Fusion - Alinne Madelon e Gabriela Farias (Antique Soul Tribal Fusion) – CE

- 10h - Flow Fusion - Luana Aires e Bárbara Suênia (Cia Lunay) – PB

DIA 17/04
- 09h - Giros e Propulsão - Alê Carvalho - Carvalho Cia de Dança – PE


Informações e Inscrições: trupemandhala@gmail.com


REALIZAÇÃO: Trupe Mandhala
CO-PRODUÇÃO: Caique Melo

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Vem aí a Caravana Tribal Nordeste - Bahia


Trupe Mandhala apresenta

1ª edição em Feira de Santana

16 e 17 de Abril, 2016
.
.

*** SHOW DE GALA ***

Dia 16/04 - 19h - Teatro Margarida Ribeiro
Ingresso: R$ 10,00 meia promocional

Apresentação dos grupos organizadores da Caravana + convidados especiais
.
Temos vagas para apresentação no show de gala. Envie e-mail para trupemandhala@yahoo.com.br e solicite edital de participação.
.
.

*** WORKSHOPS ***


DIA 16/04
- 08h - Releitura de Movimentos Tradicionais para Tribal Fusion - Alinne Madelon e Gabriela Farias - CE
- 10h - Flow Fusion - Luana Aires e Bárbara Suênia - Cia Lunay - PB

DIA 17/04
- 09h - Giros e Propulsão - Alê Carvalho - Carvalho Cia de Dança - PE
.
Inscrição: R$ 60,00 (cada tema)
Dividido em até 3x - 15 de Fevereiro, 10 de Março e 10 de Abril
.
.
*** INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES ***
E-mail: trupemandhala@yahoo.com.br


Realização: Trupe Mandhala
Co-Produção: Caíque Melo




Clique na imagem para ver maior
________________________________________________

A Caravana Tribal Nordeste é um projeto itinerante que busca o fortalecimento da Dança Tribal, do Ventre e Fusões através da difusão do conhecimento em workshops, mostras coreográficas e intercâmbio entre artistas e pesquisadores.

Atualmente, tem como grupos organizadores:
Cia Lunay - Paraíba
Aquarius Cia de Dança - Pernambuco 
Carvalho Cia de Dança - Pernambuco
Alinne Madelon - Ceará
Trupe Mandhala - Bahia

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Confirme presença e convide os amigos 
https://www.facebook.com/events/214834712193997/

Curta a página oficial da Caravana Tribal Nordeste e fique por dentro das próximas edições
https://www.facebook.com/Caravana-Tribal-Nordeste-329413670599792/?fref=ts

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Caravana Tribal Nordeste em Feira de Santana




A Trupe Mandhala apresenta
Caravana Tribal Nordeste
1ª edição em Feira de Santana-BA 
Dias 16 e 17 de Abril, 2016

.
WORKSHOPS

- Releitura de Movimentos Tradicionais para Tribal Fusion - Alinne Madelon e Gabriela Farias - CE
- Flow Fusion - Luana Aires e Bárbara Suênia - Cia Lunay - PB
- Giros e Propulsão - Alê Carvalho - Carvalho Cia de Dança - PE
.
Solicite Ficha de Inscrição - trupemandhala@yahoo.com.br

SHOW DE GALA

Apresentação dos grupos organizadores da Caravana, e convidados especiais.
.
OBS.: Temos vagas disponíveis para apresentação no Show. Para saber mais, solicite edital de participação pelo e-mail trupemandhala@yahoo.com.br

Mais informações na página do evento
https://www.facebook.com/events/214834712193997/
.
Confirme presença e convide os amigos!


Caravana Tribal Nordeste - Edição Bahia
Realização Trupe Mandhala
Co-produção Caíque Melo

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Valença recebe primeira edição do evento Conexão Mandhala – O Oriente e outras Danças




A Trupe Mandhala, grupo de Dança Étnica Contemporânea criado na cidade de Feira de Santana, irá realizar esta semana em Valença o evento Conexão Mandhala – O Oriente e outras Danças. A programação do evento conta com Workshop de Dança do Ventre e Dança Tribal, os dois estilos trabalhados pela Trupe, além de um show que trará apresentações de bailarinos e grupos de Feira de Santana, Salvador, Conceição do Coité, Valença e região.

O Show acontecerá no dia 23, sábado, a partir das 19h no Teatro do Centro Cultural Olívia Barradas e terá apresentações da Trupe Mandhala, Sidinha Damasceno, Liza Andrade, Lucas Afonso, Thiago Mascarenhas, Lourival Neto, Tiago Bastos, Grupo Habibas Dance, Sulivan Andrade, João Vitor de Almeida, entre outros.

Já os workshops acontecerão no Studio Corpus. A aula de Dança Tribal será na sexta, dia 22, a partir das 18h30, e a aula de Dança do Ventre acontecerá no sábado, dia 23, a partir das 14h.


Para quem nunca ouviu falar, a Dança Tribal, também conhecida como Dança Étnica Contemporânea, é um estilo de dança que surgiu em meados dos anos 70 e tem como base a dança do ventre, o flamenco e a dança indiana, sendo uma vertente de dança oriental. É um estilo diferente e muito envolvente que faz fusão das danças citadas com estilos mais modernos como hip hop, contemporâneo, entre outros, e também com as danças populares brasileiras, intitulado então de Tribal Brasil.

Toda essa diversidade do Tribal que é trabalho pela Trupe Mandhala, será apresentado na aula e no show. Vale a pena conferir de perto!

SERVIÇO
EVENTO CONEXÂO MANDHALA

Show
Dia 23|01 – 19h – Centro Cultural Olívia Barradas
Ingresso: R$ 16,00 (nteira), R$ 8,00 (meia)
Vendas no Studio Corpus e na bilheteria do Teatro

Workshop Dança Tribal
22|01 – 18h30 às 20h – Studio Corpus

Workshop Dança do Ventre
23|01 – 14h às 15h30 – Studio Corpus



O evento conta com os Apoios: Studio Corpus, Impacto Calçados, Hortifruti Vado de Valença, Gelo Forte, Infoworld, Hotel Valença, Restaurante Mega Chik, Restaurante Ki Delícia, Restaurante da Zuh, Restaurante O Brasileirinho, Restaurante Pimenta de Cheiro, Restaurante da Lídia, Restaurante Sabor da Bahia, Pizzaria do Sinval

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

TRUPE MANDHALA REPRESENTA A BAHIA NA CARAVANA TRIBAL NORDESTE




Neste fim de semana a Trupe Mandhala, grupo de Dança Étnica Contemporânea (Dança Tribal) criado em Feira de Santana, irá participar da Caravana Tribal Nordeste – Edição João Pessoa na Paraíba ministrando workshop e se apresentando no Show contando com a participação do bailarino Caique Melo de Vitória da Conquista. A Trupe irá levar a temática do Tribal Híbrido, pesquisa iniciada recentemente pelo grupo que envolve experimentações com as Diásporas na dança, nesta primeira fase com estudos das movimentações do Cabo-Verde, Angola, Jamaica e Ghana. Esta pesquisa está sendo realizada em parceria com os bailarinos Natali Avila (Argentina) e Rony Timas Blastoyse FJ (Cabo-Verde) e vem despertando interesse em instituições de ensino conceituadas como a Edna Manley na Jamaica, e vem apresentando resultados em festivais diversos no Brasil e em salas de aulas diversificadas.

A Caravana Tribal Nordeste é um evento itinerante que existe desde 2009 e busca divulgar e aprofundar os estudos no estilo da Dança Tribal e integra como sede as cidades de João Pessoa sob organização da Cia Lunay, Recife sob organização da Aquarius Cia de Dança, Fortaleza sob organização de Alinne Madelon e Feira de Santana/Salvador onde a Trupe Mandhala atuará na produção do evento, tendo sido convidada recentemente a se juntar ao grupo das organizadoras da Caravana.


O Festival tem sido definitivo para o fortalecimento da cena tribal nordestina. A programação conta com Espetáculo onde se apresentam diversos grupos, além de workshops. Trabalhos de excelente qualidade artística são levados anualmente à Caravana, e há também um foco na pesquisa da fusão do tribal com as danças populares brasileiras de matriz nordestina. O festival já contou também com a participação de atrações internacionais como Mira Betz (EUA), Emine di Cosmo (Buenos Aires) e Anasma (Paris).

Nesta edição da Paraíba a Cia Lunay realiza a Caravana em parceria com a  Funesc Cultura nos dias 06 e 07 de novembro no Teatro Paulo Pontes - Espaço Cultural trazendo a mestra Silvana Duarte (SP) com Dança Indiana Odissi que se apresentará no Show juntamente com os demais grupos organizadores e convidados, e ministrará workshop gratuito de dança indiana. Os outros workshops serão Tribal Balkan com Alinne Madelon, Composição Corporal Híbrida com Jaqson Gomes e Caio Pinheiro e Tribal Híbrido com a Trupe Mandhala.

No início de 2015, dois novos grupos organizadores da Caravana Tribal Nordeste foram apresentados na edição realizada em Recife.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

[Resenhando - BA] V Dramofone - Espetáculo de Dança Tribal e outras hibridações

Salvador, Bahia - Brasil

Cartaz de divulgação


No dia 5 de Julho de 2015 aconteceu mais uma edição do espetáculo Dramofone, a segunda edição realizada neste ano, que tem direção da professora e bailarina Joline Andrade.

´O espetáculo DRAMOFONE leva a uma imersão em universos exóticos e híbridos, através da dança e música étnica e contemporânea, permeando por uma estética antique/retrô´, já começando pelo título do espetáculo, inspirado no Gramofone, uma invenção de 1887.

O espetáculo, sempre realizado em salvador com início em 2013, aconteceu no Espaço Xisto Bahia, e trouxe nesta edição a apresentação das alunas de turma iniciante e intermediária de Joline, apresentação das coreografias criadas para o encerramento do Curso de Formação em Tribal Fusion com Joline Andrade deste ano, e teve como convidado especial a Trupe Mandhala, grupo que eu faço parte.

Roteiro das apresentações
O legal de toda edição do Dramofone é que vemos não só bailarinos, mas também ocorrem apresentações de poetas, atores, cantores, tem música ao vivo, e há uma fusão linda de tudo com o universo da Dança Tribal. É uma troca muito boa de experiências, de conhecimentos, de visões de mundo.

Como de costume, todo mundo chegou mais cedo para passar palco e conseguimos assistir a de quase todos. É no ensaio que geralmente a gente consegue isso porque durante o espetáculo em si nem sempre dá pra assistir todo mundo por conta da correria, troca de figurino e tudo mais (é assim em todo lugar rs). Fiquei feliz de ter assistido a dos demais no ensaio, pois todos foram bem criativos em seus temas. Mais abaixo vou fazer um apanhado geral sobre o que cada um trabalhou em suas coreografias. Quando a gente se deu conta já estava pertinho do espetáculo começar e aí é correr pra se arrumar a tempo e ainda fazer um pouquinho de resenha no camarim, claro! Como de costume, antes do público entrar a Joline convida a todos os artistas para uma grande roda para fazer uma dinâmica meio oração para trazer bons fluidos para a apresentação a seguir.

A casa estava cheia, mas com um público super educado. Não teve barulho, conversa alheia nem celular. Eram só olhos focados no palco para absorver tudo que seria apresentado.

Nós da Trupe fizemos a abertura com a coreografia Volante Tribal, um trabalho lindo de Tribal Brasil.


Trupe Mandhala – coreografia Volante Tribal


A gente já dançou essa coreo com a Kilma Farias no Bailares aqui em Feira de Santana, já dançamos ela em quarteto, até em trio, mas no Dramofone a gente levou uma versão super completa com 7 pessoas no elenco. Uma das apresentações mais lindas desta coreo.

Release: Entre Águias e Gaviões, falcões e Caracarás, espalharam-se pelos sertões adentro, exploradores e percussores de um mito de coragem com aspas ao medo, onde a fome e a seca eram misturadas entre ritmos de passos de alpercatas e tiros, onde se foi intitulado de Volante um exército de justiça pelas próprias mãos nem sempre justas, onde adereços se mesclando com cheiros e cores, tornaram a nossa história atrativa para todo o mundo. Pelas mãos e voz de Bruno Bezerra, artista local da cidade de Feira de Santana, a Trupe Mandhala apresenta o formato da Volante do Tribal, um segmento que representa de uma forma contemporânea uma colagem com estilos de danças populares regionais, com movimentações características do xaxado original, baião e tribal fusion. Uma visão arrebatadora da força que existe em cada um dos nordestinos pela dança que sempre a homenageia com maestria.

Como nesta edição fomos as convidadas especiais, levamos 4 coreografias, além do duo meu e de Vika que foi do encerramento do Curso de Formação em Tribal. Já que comecei com a Trupe, vou falar logo sobre as demais coreos que levamos e depois falarei sobre as outras apresentações da noite.

Outra coreo de grupo que levamos foi a Oráculo de Delfos, quem tem uma temática, música e ambientação bem diferente da Volante.


Trupe Mandhala – coreografia Oráculo de Delfos

Gente, eu AMO todas as coreos da Trupe, mas essa é especial, sempre me deixa arrepiada por tudo que ela é. A coreografia é inspirada na história deste Oráculo situado em Delfos, na Grécia. Havia lá um templo consagrado a Apolo, onde a sacerdotisa Pítia tinha visões e apresentava profecias em total estado de transe (alguns dizem que este transe era provocado por vapores que subiam de uma fenda no rochedo onde o templo havia sido construído). Trouxemos então alguns personagens que representam estas visões, que são delírios de uma sociedade doente, com variados transtornos mentais, e apenas Pítia, a personagem principal vê, e interage com eles. A partir desta explicação, assistir o vídeo vai ter um significado todo especial agora. Outra coisa que adoro é a música, ou melhor, as músicas. A principal é "Aerials" do System of a Down, e a introdução é uma mixagem com vários trechos de músicas de Marilyn Manson e Mike Patton montada por mim. A ideia da música, do figurino e de toda a ambientação é trazer um clima de terror, de pânico, de loucura. E eu que amo essas bandas, o estilo, o terror, fiquei imensamente satisfeita. :D


Trupe Mandhala – solo Viviane Macedo

Esta coreo, criada por Lyara e por Vika, foi inspirada no mito das fiandeiras do destino, ou Moiras. Na mitologia grega, as Moiras eram as três irmãs que determinavam o destino, tanto dos deuses, quanto dos seres humanos. Eram três mulheres lúgubres, responsáveis por fabricar, tecer e cortar aquilo que seria o fio da vida de todos os indivíduos. As Moiras eram: - Cloto (significa "fiar") - segurava o fuso e tecia o fio da vida e atuava como deusa dos nascimentos e partos; - Láquesis (significa "sortear") - puxava e enrolava o fio tecido, e atuava sorteando o quinhão de atribuições que se ganhava em vida; - Átropos (significa "afastar") - cortava o fio da vida, determinando o seu fim.
Vika então neste solo representa a primeira fiandeira, segurando o fuso e tecendo o fio da vida de Sofia, que está em seu ventre e vai nascer em breve.


Trupe Mandhala – Duo Mary Figuerêdo e Viviane Macedo

Este duo foi nosso trabalho de encerramento para o Curso de Formação em Tribal e o tema que escolhemos foi o Urban Tribal. Começamos com a inspiração na Dança de Rua, nas batalhas de Freestyle onde um grupo de dançarinos se reúnem para verem seus colegas mostrarem suas habilidades nas mais variadas técnicas de dança através da improvisação. É comum estes dançarinos ´´tirarem onda´´, fazendo gracinhas para seus rivais, e foi aqui que buscamos trabalhar a nossa expressividade através de brincadeiras onde uma fica desafiando a outra a mostrar sua melhor técnica, mas também trazendo momentos em que as duas se unem, mostrando que na dança, o importante acima de tudo é a união.

Trupe Mandhala – coreografia Makeda – A Rainha de Sabá
Infelizmente devido a um problema técnico não houve vídeo desta coreo, mas ela pode ser vista no youtube, basta colocar na pesquisa o nome acima.

´´A Rainha de Sabá, conhecida entre os povos etíopes como "Makeda", que recebeu diferentes nomes ao longo dos tempos, foi uma célebre soberana do antigo Reino de Sabá (Etiópia). Ao som de Baiana System, na música Pangeia que explora a guitarra baiana e conta a história de Makeda, Lyara inova trabalhando com a linguagem de sinais e movimentos de danças populares realizados de forma diferente do tradicional, tudo muito lento e pausado. Uma delícia de assistir, até porque Lyu arrasa #agenteéfã

Agora voltando para as apresentações das alunas de Jo e das alunas do Curso de Formação, como eu disse lá em cima, todo mundo foi bem criativo explorando temas inusitados.

Tatiane Cassiano trabalhou o tema Stiletto Fusion dançando tribal com um saltão agulha lindamente na cara da sociedade (invejinha, meu joelho podre não aguenta muita coisa de salto).


Luciana Carvalho fez uma coreo inspirada nos movimentos dos felinos. 



Tatiana Freitas fez um solo incluindo posições de yoga no início (é o yoga dominando o tribal no Brasil também) com uma música linda da banda The XX chamada "Tides".

Isadora Moraes trabalhou o tema Dança Dramática, com referência ao Butoh no figurino ao dançar com o corpo todo pintado de branco, e realizou uma experimentação com um tipo de véu wing estilizado, que ela mesma fez, inspirado no figurino de La Serpetine Danse. De acordo com ela, as asas entraram para provocar a sensação de morte e de plenitude, e houve também a influência da Dança Indiana, pois ela conta no solo a história da tentação de Buda através de Yasodhara, que dança como um fantasma que faz uma dança de amor e saudade para o príncipe que ela tanto amou e esperou (Sidartha), mas ele está no caminho da mortificação e ela fica viúva. A dança dela é descrita então como uma dança lânguida, aquática e singela, porém com a energia da lótus (fertilidade). Foi um solo com uma pegada totalmente contemporânea.



Ia Santanche é a mulher das onomatopeias, da expressividade, do yoga, da natureza zen, do teatro, do sorriso solto, do cabelo enorme e laranja, como se estivesse em chamas. Eu particularmente adoro a Ia, me parece sempre uma pessoa muito sincera, alegre, e adoro o fato de ela parecer nunca ´´estar nem aí´´ para nada. Ela não se importa que começou a estudar Tribal agora, ela não tem medo de fazer feio, ela só quer ir lá e mostrar toda essa energia e amor que ela tem pela arte.

A performance super teatral dela se chama Garuda, uma figura mitológica presente nos mitos do hinduísmo, originariamente uma águia. Pássaro solar brilhante como o fogo, é a montaria do deus Vishnu, que é ele próprio de natureza solar. Garuda é também a palavra alada, o triplo Veda, um símbolo do verbo, ou seja, o mesmo que a águia representa na iconografia cristã. Deste mito ela se inspirou para o figurino, e o vôo inspirou sua locomoção no espaço, ela utiliza toda a área da plateia e do palco, correndo entre os espectadores proferindo versos adaptados do "Cântigo Negro" de José Régio. Ela comentou que já tinha esta performance, e aí ela tribalizou o figurino, colocando cores, se inspirando também em Bethânia no Doces Bárbaros, usou postura de yoga e focou nos braços para enfatizar a dramaticidade de suas palavras. Ia me contou que quis aprender Tribal para ampliar o vocabulário gestual dela, focando nas performances do evento Dominicaos, e que com o tempo ela percebeu que os movimentos do Tribal serviam para ampliar a voz também. E eu acho que Garuda reúne isso que ela vem aprendendo.

Texto completo Cântigo Negro - http://www.releituras.com/jregio_cantico.asp

Mariana Noronha inovou ao trazer o músico Leonardo Ogando que tocou Didjeridoo no palco (lindo demais aquilo gente) enquanto ela dançava.  Didgeridoo, ou Didjeridu, é um instrumento de sopro típico dos aborígenes australianos. Ele também tocou pau-de-chuva, clave e chocalhos numa apresentação agradável e poderosa, que deu toda uma atmosfera praticamente mágica à apresentação da Mariana. Parecia que estávamos sendo transportados a algum lugar ancestral, tivemos algumas visões, e depois fomos trazidos de volta.


Cibele Aguiar trabalhou o tema Afro Fusion fazendo uma homenagem à água, onde se inspirou nas lendas de Oxum e de Iemanjá para criar a seguinte história - Diz a lenda que Oxum é a responsável por encher os rios, daí a Cibele pensou como seria se Oxum um dia fizesse greve. Os rios começariam a esvaziar, chegando as águas escassas no mar. Iemanjá vendo isto, resolve ela mesma fazer o serviço, tomando o vaso mágico de Oxum. Mas como o vaso não era dela, foi necessário que Iemanjá fizesse um ritual para poder usar o vaso, e é este ritual que a Cibele apresentou em sua coreografia; Viviane e eu escolhemos o tema Urban Tribal (que já expliquei lá em cima na parte da Trupe); entre outras meninas, algumas que não puderam se apresentar.

Das alunas de Jo, além das que participaram do Curso de Formação, teve apresentação de 3 coreos de grupo,  duas de turmas iniciantes e uma da turma intermediária,  e alguns solos, incluindo outro solo daTatiana e solo de Ana Caroline Antunes toda uma indiana com um cabelão lindo e movimentos precisos.

Turma Intermediária de Joline (coreografia inspirada em Mardi Love):



Ana Carolina Antunes:


Turma Iniciante 2 de Joline:


A noite foi linda como devida ser. E terá outra edição do Dramofone ainda este ano. Apesar de eu estar no dia recém saída da chicungunya, dei o melhor de mim e fiz o que pude dentro das possibilidades. Fique muito feliz em participar de mais uma edição do Dramofone (a Trupe participa desde a primeira edição se não me engano), e é sempre bom ter a oportunidade e o espaço para mostrar nosso trabalho em Salvador. ObrigadaJo, e vida longa ao Dramofone!!!
Lilililililili 
Foto final com todo elenco

Assista todos os vídeos do V Dramofone:


Confira as fotos e vídeos das edições anteriores http://www.jolineandrade.com/#!dramofonefestival/c1llo

Fique por dentro das notícias das próximas edições curtindo a Fanpage do evento 

´´O Dramofone é um espaço de experimentação onde diversos multiartistas (dançarinos, músicos, atores, poetas e cantores) já fizeram pesquisas de hibridação com a dança tribal.´´ Joline Andrade


Autora: Mary B. Figuerêdo (Publicitária, Professora de Tribal e integrante da Trupe Mandhala)
Texto feito e publicado originalmente no Blog da Aerith 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...